29 de dez de 2008

EU ADORO "HOMI" GRANDE!

AFF... EU ADORO "HOMI" GRANDE!


CHARMOSO...


COM ESSA CARINHA DE "FIZ MERDA... O QUE FAÇO PRA ELA ME PERDOAR?"



QUE PÕE A BOCA E O RESTO NO TROMBONE, NA CLARINETA E NO RESTO



QUE É ESPADA...OPS! PAU PRA TODA OBRA!


DO TIPO QUE AINDA MANDA FLORES


QUE, APESAR DO VELHO TÊNIS E DA CALÇA DESBOTADA...


DEIXA MARCAS BEM PROFUNDAS NA NAMORADA!


HOMENS DESSE MODELO...



DESSE...


DESSE...(ui! adoro homem brabo!)

DESSE...


DESSE...


JESUS NÃO ME PROTEJA... DESSE...

AIIIIIIII... . DESSE...


DESSE...


DESSE... BEM ATREVIDO TAMBÉM... POR QUE NÃO?

HUMM... ASSIM TAMBÉM PODE...


TEM MAIS?


CLARO QUE TEM, MAS DEFINITIVAMENTE, UM HOMEM DESSE MODELO É O MEU NÚMERO SEM RETOQUE NENHUM!

ACREDITO QUE O SEU TAMBÉM!

montagem-Tânia

AMO MUITO TUDO ISSO!!!!!!!! !!!!!!!
AGRADEÇO A ESSE HOMEM PELOS MOMENTOS QUE TENHO TIDO, PELAS AMIZADES QUE ME PROPORCIONOU E É CLARO PELO PRAZER FÍSICO QUE NUNCA MAIS SERÁ O MESMO DEPOIS QUE JAMES GERARD BUTLER PASSOU A ESTRELAR E PROTAGONIZAR MINHAS FANTASIAS SEXUAIS.


Bjks
Tani@
A Tânia enviou esse mimo em forma de e-mail torturador para o Grupo do yahoo, e me autorizou a postar aqui... Espero que gostem e comentem.

16 de dez de 2008

UM CONTO DE NATAL

Já deixei de acreditar em Papai Noel a muitos anos e prá ser bem sincera não sou muito fã dessa data.
Mais apesar de não gostar de Natal, fui fazer a minha boa ação do ano de levar os meus 4 priminhos pequenos ao shopping para ver o Papai Noel.
Uma fila imensa com milhares de crianças ansiosas para sentar no colo do bom velhinho e fazer o seu pedido de presente.
Após quase 2 horas de fila começa então a chegar a minha vez, ou melhor, a vez dos meus primos.
Até aquele momento eu não havia reparado no bom velhinho pois haviam várias cabeças que me impediam de ter uma melhor visão.

Mais ou menos uns 10 minutos depois os meus olhos se encontraram com os olhos do Papai Noel, para a minha total surpresa os olhos eram de um verde hipnotizantes e tão profundos que senti até um frio na barriga.
Comecei então a reparar em seus traços, percebi que ele era jovem e apesar da longa barba falsa e da roupa com enchimento, ele parecia ser bem atraente.
Nesse momento senti uma vontade louca de sentar em seu colo.
Ao chegar a nossa vez os meus primos fizeram os pedidos de presentes e ao final eu teria que preencher um cupom para que eles pudessem concorrer a um presente que o shopping iria sortear.
Ao entregar o cupom para o bom velhinho com todos os meus dados(que a essa altura não era mais nem tão velhinho e muito menos bom pois ele me olhava com olhos de cobiça e eu retribuía todos os olhares com imensa satisfação) ele pegou na minha mão e uma onda elétrica passou pelo meu corpo e um fogo se alojou em meu ventre.
Sai do shopping com 4 crianças excitadíssimas por ter visto o Papai Noel, mais na verdade quem estava excitada era eu pois a essa altura já me imaginava rasgando aquela roupa vermelha e deixando ele somente com o gorrinho vermelho.
Levei a criançada para casa, deixei cada uma em seu devido lugar e voltei para casa.
Trabalhei um pouco para ver se esquecia a imagem daqueles olhos que ainda me atormentavam.
Rolava na cama de um lado para o outro quando o meu celular tocou.
Atendi e uma voz grave e sensual disse meu nome.
Perguntei quem era e ele com uma risada divertida me perguntou se eu já havia esquecido do presente que eu havia pedido de natal.
Nesse momento o meu corpo inteiro se acendeu, não sabia o que dizer mais nem precisei pois ele se adiantou e me pediu para encontrá-lo na frente do shopping aonde havíamos nos conhecido em 1 hora.
Desliguei o celular tremula e fui me arrumar.
Cheguei na frente do shopping, a rua estava escura e deserta, confesso que já estava ficando com medo quando de repende um homem alto bateu no vidro do meu carro.
Juro que nem mesmo em minhas fantasias mais perfeitas eu imaginaria semelhante perfeição, ele era alto, forte e lindo, de uma beleza ao mesmo tempo máscula e angelical.
Sai do carro e ele me enlaçou pela cintura e me beijou meus pés saíram do chão, meu corpo flutuava como se eu estivesse no céu mais ao mesmo tempo o meu corpo queimava como se ele estivesse mergulhado no fogo do inferno.
Aquele beijo durou uma eternidade.
Sem aviso ele me jogou em cima do capô do meu carro e beijou o meu pescoço, o meu colo, tomou os meus seios em suas mãos e em uma ânsia louca começou a sugar os meus mamilos com uma urgência animal.
Naquele momento me esqueci de tudo, só queria sentir aquilo tudo dentro de mim
Ele me virou de costas me apoiou no carro, levantou a minha saia e me penetrou por trás, naquela dança frenética ele mordia as minhas costas e puxava cada vez mais os meus quadris e meu cabelo.
E quando eu estava quase tendo o melhor e mais louco orgasmo da minha vida ele me virou de frente e chegamos ao ápice juntos um olhando nos olhos do outro.
Passado algum tempo, quando os nossos batimentos voltaram ao normal eu me recompus e ele me puxou pela mão, pegou as chaves do meu carro, me colocou no banco do passageiro.
Entrou, ligou o carro, olhou para mim e disse com o sorriso mais malicioso do mundo.
A propósito o meu nome é Gerard, mais pode me chamar de Gerry.

E fomos para o apartamento dele aonde continuamos a melhor noite da minha vida.
E adivinha???
Ápartir desse dia eu acredito em Papai Noel e adoro o natal.

9 de dez de 2008

Meu destino é pecar...

Meu destino é pecar...
(by Lucy)




Photobucket



Amigas, necessito da ajuda de todas,
pois algo ocorreu em minha vida,
que me fez ficar completamente perdida em alucinações insanas...
Vou lhes contar o que tem torturado o meu corpo e aprisionado a minha alma,
esperando poder encontrar a salvação nos comentários de vocês!



Desde menina, eu sempre fui muito devotada a minha religião, indo regularmente assistir às missas, além de participar das reuniões da Igreja.
Photobucket
Contudo, há um ano estava afastada das liturgias devido a vicissitudes que têm me deixado sem tempo algum para professar a minha crença.
Foi então, que no último domingo, sentindo-me muito solitária, resolvi ir à Igreja bem cedinho. Como sempre fazia, primeiro fui à sala de reunião para rever o Padre Toninho. Lá chegando, fui informada de que ele havia sido enviado à Roma para participar de certas festividades religiosas, mas que em seu lugar havia sido convocado um outro padre, que estava sendo muito bem acolhido por todos os que ali buscavam palavras de conforto e que as beatas já o haviam aceitado completamente.
Então, me desloquei para a parte de trás da Igreja, onde se encontrava o novo Padre. Aquela região não era de acesso livre a todos os congregados, uma vez que era privativa para os afazeres e lazeres do padre, mas como eu já fazia parte dos associados há muito tempo, a minha entrada ali era permitida.
Logo o avistei e me dirige a ele para apresentar-me e lhe dar as boas vindas.
Photobucket
Ainda hoje me recordo de sua imagem: estava trajando bermudas jeans e chinelos e suas mãos estavam sujas de terra, já que ele estava arrumando o jardim. Ao perceber a minha presença, ele virou-se a mim e se apresentou, dizendo:
“- Bom dia! Eu sou o novo padre, espero que não se incomode de eu estar mexendo no jardim do Padre Toninho, mas eu gosto muito de lidar com a natureza e tenho boas mãos para isso.”


Aquele olhar... PhotobucketSeus olhos verdes pareciam adentrar a minha alma numa profundidade que eu jamais havia sentido. Senti o meu corpo inteiro ser invadido por ele e um arrepio percorreu toda a minha pele...

- “Aliás, se você não se incomodar, vamos ali ao lavabo, quero lavar as mãos para cumprimentá-la do modo como se deve” – falando isso, ele mostrou-me as mãos sujas, abrindo um sorriso encantador, e fomos até ao lado, aonde se encontrava a pia.
Ah, aquelas mãos, naquele instante tudo o que esperava era realmente poder tocá-las, acariciá-las levemente, sentir o contato de sua pele na minha. Notava-se que eram mãos grandes, mas também o Padre tinha uma altura e musculatura invejáveis. Sim, sabia que aquelas mãos, por certo, fariam aquele jardim florescer, e imaginei o quanto aquelas mãos poderiam fazer em meu corpo sedento por aquele contato...

Primeiramente, ele lavou suas mãos e, em seguida, jogou água abundante sob o seu rosto e cabelo. Depois, passou a pequena toalha sob o seu rosto, sob a barba macia que estava me enlouquecendo, e sob seus cabelos ligeiramente desgrenhados... Aquela barba o deixava com um jeito muito másculo, fazia com que a sensualidade extrapolasse de seus poros, contrastando com o sorriso jovial que despontava de seus lábios.

Ao se enxugar, o padre levantou os seus braços, e não pude deixar de admirar como eles eram fortes, robustos. A água de seus cabelos havia escorrido para todo o seu peito imponente e seu abdômen atlético. A minha vontade era de secar tudo com a minha língua, pois a cada movimento que o padre fazia, fervia em mim a vontade de tocá-lo.
Photobucket

Após secar-se, o padre colocou a sua camisa e me estendeu a mão, para se apresentar:
- “Sou o Padre Butler, muito prazer em conhecê-la.”



Confesso que hesitei por alguns segundos em grudar a minha mão na dele. Não sabia se iria conseguir segurar o fogo que me invadia o útero, mas, polidamente, consegui me apresentar.

Ele, então, passou a me contar a sua vida, com uma simpatia contagiante e um ótimo humor. Deixei-me envolver pela conversa que estava muito empolgante, parecíamos íntimos pela proximidade com a qual estávamos dialogando. Contudo, mesmo sabendo que não deveria ter esses pensamentos, não conseguia deixar de olhar para a boca do Padre Butler. Não sei dizer bem o que me causava tal perturbação, mas fiquei com uma fixação demente por sua boca e pelo biquinho que, de tempos em tempos, ele fazia com seus lábios macios. Nunca havia sentido tanta vontade de beijar alguém como estava sentindo naquele momento, aqueles lábios e seu jeitinho de falar me conquistaram em definitivo.
Photobucket

A certa altura de nossa conversa, Padre Butler me levou de volta ao pequeno jardim para apanhar os utensílios que havia deixado por lá. Todavia, ao abaixar-se para pegá-los, deslocou as suas pernas para frente, fazendo realçar toda a musculatura arrebatadora de seus coxões. Suas pernas eram, realmente, muito grossas, denotava-se que o Padre Butler devia tê-las esculpidas em anos de exercícios árduos, exercícios que o fizeram suar, e tudo o que eu estava imaginando ali era como esse homem iria ficar sexy tendo o seu corpo encharcado de suor após vivenciarmos uma fogosa noite de amor...


O celular dele tocou e ele atendeu a ligação.
Afastei-me ligeiramente e abaixei a minha a minha cabeça, num gesto educado de quem não estava interessada em ouvir a sua conversa.
Ah, amigas, porque eu fui fazer isso?! Photobucket
Quando abaixei a minha cabeça, olhei diretamente para os pés de Padre Butler, que eram muito bem tratados e limpos. Mas o que me chamou a atenção foi o tamanho de seus pés: eram enormes, eram lindos pés que davam um acabamento perfeito a todo o conjunto corporal do Padre Butler...

Mas, nesse instante, já com a mente devastada em tantos pensamentos libidinosos, veio à baila a teoria da proporcionalidade e, instintivamente, meus olhos miraram para, como poderei dizer: seu órgão copulador... Photobucket Por baixo daquela bermuda apertada, dava para perceber toda a saúde, o vigor, a virilidade, o esplendor do que se encontrava ali - intocado, isolado do mundo, escondido, talvez clamando por um pouco de liberdade.

Photobucket

Fechei os olhos e foi como se me transportasse a um sonho: vi e senti nós dois juntinhos, nus, deliciosamente enlaçados, meus lábios grudados nos dele e nossos corpos freneticamente envolvidos na dança ardorosa de um amor suave e indecente...



Não percebi quando o Padre Butler encerrou a ligação, só me lembro dele se aproximar de mim, segurar-me nos ombros e me perguntar se eu estava bem. Respondi que estava bem, mas o forte calor havia me deixado um pouco tonta. Mal sabia ele que a tontura que eu sentia era o louco desejo que se alojava em mim, fazendo-me arder numa devastadora febre de paixão.

Photobucket



Ainda conversamos um pouco, aliás, ele falou, porque naquela altura eu já não conseguia soltar a minha voz. Para meu espanto e, confesso, alegria pecaminosa, em certo instante notei os olhos gulosos do Padre Butler que pareciam querer ver por baixo da minha blusa levemente decotada. Fiquei sem ação, não sabia se pulava de alegria ou chorava em desespero. Ele ficou ligeiramente corado e, vendo-me ali, estagnada, parada, suando e estremecida com a situação, para nós dois bastante embaraçosa, Padre Butler disse que precisava ir tomar um banho para se preparar a próxima missa, que seria celebrada em meia-hora.Photobucket Claro que imaginei que um banho com ele seria algo extremamente prazeroso, seria o início perfeito para saciarmos a volúpia que nossos corpos exigiam.

Photobucket

Despedi-me, mas antes ele me convidou, respeitosamente, para retornar aos seus aposentados na manhã seguinte, para tomarmos o desjejum juntos e conversarmos mais um pouco...


Photobucket


Amigas... eu lhes perguntou: o que eu devo fazer???

- Devo aceitar o convite e ir aos aposentos dele:
será que conseguirei manter-me afastada do seu corpo tão vigoroso e cheio de energia?
?
- Ou devo, então, me afastar, um pouco, do Padre Butler,
dando uma desculpa convincente?
?
- ou seria melhor eu confessar todos os meus pensamentos impuros?!!

Photobucket

Não sei não...
Mas, com certeza, de hoje em diante,
eu serei conhecida como a mais fervorosa
Beatinha do Padre Butler...

Photobucket

Vocês entendem, agora, porque o meu destino é pecar? Photobucket

Quem me livrará dessa concupiscência?

Photobucket


Em tempo:
Amigas, espero que não se sintam ofendidas com o post,
pois o intuito foi unicamente trazer
um pouquinho de animação a nossas vidas... Photobucket


Só para esclarecer: não tenho fantasias com padres!!! Photobucket

Padre, pra mim, pertence a Deus e com Deus não quero problemas,
já tenho muitos abacaxis pra descascar, por isso passo longe dos pepinos...

Repito em alto e bom som - lugar de:
- de padre é na igreja,
- de homem casado é com a esposa,
- e do Gerry é ao meu lado (em cima, em baixo...) Photobucket

Photobucket



Photobucket



Mas o Padre Butler....affffffffffffffffff

Photobucket





Photobucket


Ai... ai... Padre Butler... meu “jardim” tá tão fraquinho,
tá precisando ser “regado e adubado”...
Aliás, vem “rezar uma missa” aqui em casa,
que estou urgentemente necessitando receber a sua “benção”...


Photobucket



Mil e um beijinhos, recheadinhos de carinho,
da
♥Lucy♥

Photobucket